‘Quando um não quer, dois não brigam’, repetiu vice-presidente. Na terça (23), porta-voz disse que presidente queria um ‘ponto final’ na divergência entre o vice e o filho.

“Vira a página”, respondeu o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, ao ser questionado nesta quarta-feira (23) sobre as críticas que tem recebido do filho do presidente Jair Bolsonaro, o vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro.

Mourão deu a declaração ao chegar ao Palácio do Planalto após novas publicações de Carlos Bolsonaro nesta quarta em uma rede social. Na terça (22), o porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, afirmou que Jair Bolsonaro deseja colocar um ponto final na divergência entre o vice e o filho.

Indagado sobre a insistência de Carlos Bolsonaro nas críticas mesmo depois do pedido de “ponto final” feito por Jair Bolsonaro, Mourão respondeu: “Quando um não quer, dois não brigam, tá bom. Então, esse assunto, vira a página”, declarou.

Na manhã desta quarta, Carlos Bolsonaro citou uma entrevista em que Mourão defendeu a permanência no Brasil do ex-deputado federal Jean Wyllys, do PSOL. Em janeiro, Wyllys, homossexual assumido e defensor das causas LGBT que na votação do impeachment de Dilma Roussef cuspiu no então deputado Jair Bolsonaro, abandonou o novo mandato para o qual foi eleito sob o argumento de que sofria ameaças.

O vereador classificou de “estranho” o que chamou de alinhamento de Mourão com políticos que, segundo ele, detestam o presidente.

À tarde, Carlos Bolsonaro escreveu: “Vice contraria Ministros e agenda que elegeu Bolsonaro Presidente” e postou um vídeo de um simpatizante intitulado “General Mourão: o traidor?”.

Na terça, o vereador já tinha postado várias mensagens. Numa delas, citou a facada ao então candidato Jair Bolsonaro e disse que Mourão classificou a situação como vitimização.