Os dois presidentes também falaram sobre a Coreia do Norte e a China, segundo a Casa Branca.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, conversou nesta sexta-feira (3) por telefone com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, sobre a situação na Venezuela, além de Ucrânia, Coreia do Norte e de um possível novo acordo nuclear que incluiria a China.

Trump afirmou, após a conversa, que Putin não quer intervir na Venezuela e que ambos têm o desejo de encontrar uma solução “positiva” para a crise no país sul-americano.

“Ele (Putin) não está pensando de forma alguma em se envolver na Venezuela, além de querer ver acontecer algo positivo na Venezuela, e eu sinto o mesmo”, afirmou Trump a jornalistas na Casa Branca, pouco depois de conversar por telefone com o líder russo.

As declarações de Trump mostram um contraste com a postura manifestada até então pela Casa Branca e o Departamento de Estado, que responsabilizaram Rússia e Cuba pela permanência do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, no poder.

“Foi uma conversa muito positiva a que tive com o presidente Putin sobre a Venezuela”, disse Trump. No país, “atualmente as pessoas estão morrendo de fome, não têm água e não têm comida”, acrescentou o presidente americano.

Trump fez essas declarações três horas depois de o assessor de segurança nacional, John Bolton, afirmar que “Maduro só está se mantendo no poder devido ao apoio de Rússia e Cuba, as únicas forças militares estrangeiras na Venezuela”.

“Os Estados Unidos não tolerarão nenhuma interferência militar estrangeira no continente americano. O presidente americano deixou claro que haverá custos para aqueles que promoverem a usurpação e repressão por parte de Maduro”, escreveu Bolton no Twitter.

A porta-voz da Casa Branca deixou claro que todas as opções para resolver a crise estão sendo consideradas pelo governo americano.

Trump afirmou a Putin que os EUA estão do lado do povo da Venezuela e usou a conversa para tentar garantir que alimentos e a ajuda que a população precisa cheguem ao país, de acordo com uma representante do presidente.

A ligação ocorreu enquanto o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, e o assessor de Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton, visitavam o Pentágono para estudar possíveis opções militares para solucionar a crise da Venezuela.

Esses dois foram os mais críticos às ações da Rússia para apoiar Nicolás Maduro e desde terça-feira (30) vêm responsabilizando diretamente o Kremlin pela manutenção do ditador chavista no poder.

Pompeo acusou a Rússia de convencer Nicolás Maduro a não deixar a Venezuela após o levante iniciado pelo presidente interino do país, Juan Guaidó. O Kremlin nega. O caso foi discutido por Pompeo e pelo ministro das Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, em conversa por telefone.

O secretário de Estado dos EUA disse que a intervenção do Kremlin é ruim para a Venezuela e para a relação entre americanos e russos. O chanceler russo, por outro lado, respondeu que a ingerência da Casa Branca em Caracas viola o direito internacional.

China, Coreia do Norte e Relatório Mueller

Donald Trump, presidente dos EUA, desce do avião Força Aérea Um na base militar perto de Washington — Foto: Carlos Barria/Reuters
O presidente Donald Trump descendo do avião presidencial americano.

Trump e Putin também conversaram hoje sobre a possibilidade de assinar um acordo nuclear com a China, mas Sanders não deu mais detalhes sobre o possível pacto entre os três países.

Outro assunto da ligação foi a Coreia do Norte. O ditador do país, Kim Jong-un, conta com o apoio de Putin e visitou a Rússia pela primeira vez na última semana.

Além disso, os dois conversaram “muito brevemente”, segundo Sanders, sobre as conclusões da investigação do promotor especial Robert Mueller sobre a interferência da Rússia nas eleições de 2016.

“Ambos os líderes sabiam que não houve conspiração”, disse a porta-voz da Casa Branca.