Cinco pessoas ficaram feridas. Entre elas, uma criança de 9 anos que se queimou com o combustível. Moradores da região precisaram sair de casa para evitar intoxicação pelo forte cheiro.
Esta linda menininha ficou queimada após cair no líquido inflamável.

Uma tentativa de furto de combustível causou o vazamento de gasolina de um oleoduto no bairro Parque Capivari, em Duque de Caxias, Baixada Fluminense, na madrugada desta sexta-feira (26). A Transpetro, subsidiária da Petrobras, informou que há risco de explosão e que bombeiros retiraram moradores de casa para evitar intoxicação pelo forte cheiro.

Cinco pessoas precisaram de atendimento médico. Duas das vítimas já foram liberadas e outras três estão no Hospital Adão Pereira Nunes – uma criança de 9 anos, Antonia Cristina Pacheco, que teria sofrido queimaduras pelo contato com o combustível, uma funcionária da Transpetro que se feriu quando tentava conter o vazamento e um morador da área.

O secretário de Defesa Civil de Duque de Caxias, André Luís Gomes Xavier, disse que quando a equipe chegou ao local, uma criança de 9 anos estava desmaiada com o cheiro da gasolina – eles a encontraram caída em uma poça. Ela está internada em estado gravíssimo, com 80% do corpo queimado.

A Defesa Civil de Duque de Caxias informou que quatro famílias, com um total de 17 pessoas, precisaram sair de suas casas por causa do vazamento, entre eles a menina de 9 anos.

O funcionário da Transpetro que tentou conter o vazamento afundou em um buraco e sofreu queimaduras.

“A gasolina que vazou é a do tipo A, a mais forte que existe. E não pode ser comercializada, porque ainda nem foi misturada ao anidro para ser vendida em bombas. O produto tem um cheiro muito forte e queima a pele. Até derreteu a luva de borracha do pessoal da nossa equipe”, explicou o secretário.

Gasolina é tão forte que derreteu a luva de borracha do pessoal da Defesa Civil — Foto: Alba Valéria Mendonça / G1
Funcionário da Transpetro com luvas derretidas pelo líquido altamente inflamável.

Por volta de 1h, uma quadrilha instalou uma mangueira no duto da Transpetro para roubar o combustível, informou o comandante do Grupamento de Operações com Produtos Perigosos do Corpo de Bombeiros, Fábio Andrade. Perto de 1h50, os bombeiros foram chamados. Bombeiros de três quartéis se dirigiram ao local. O combustível não chegou a jorrar, mas entrou em contato com o solo.

“O vazamento está muito pequeno e foi controlado. Mas existe o risco, é claro, pois tem muito produto no terreno. Mas as casas e os moradores do local já foram evacuados. Vamos começar o trabalho de remoção do produto”, afirmou o bombeiro.

O Corpo de Bombeiros encerrou os trabalhos às 8h e, até 11h, a Transpetro trabalhava para conter o vazamento no duto perfurado. Por medida de segurança, a Light, concessionária de energia, desligou a luz dos moradores do entorno do local onde ocorreu o vazamento.

Técnicos do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) vão ao local para avaliar o risco de contaminação do solo e também para os moradores.