Adolescente afirmou que sofreu tentativa de aliciamento da funkeira

O Ministério Público Federal (MPF) abriu investigação sobre o envolvimento da funkeira MC Mirella em uma denúncia de tráfico internacional de crianças e adolescentes para fins sexuais. A apuração cerca de uma semana depois que uma jovem de 17 anos usou as redes sociais para relatar uma suposta conversa com a cantora, em 2017, quando Mirella teria oferecido até R$ 5 mil para que a adolescente, na época com 16 anos, passasse um fim de semana com “um amigo”, empresário no Paraguai. Mirella afirmou que as acusações são um “absurdo”, mas confirmou a conversa. A informação é do Extra.

Nas imagens, Mirella oferece R$ 2 mil e passagem de ida e volta, além de pagamento de outras despesas, para a adolescente ir ficar com o “amigo” no final de semana.

“Linda, um fã seu que é meu amigo insistiu muito para falar com você, ele quer saber se você topa sair com ele um final de semana, ele paga R$ 2 mil + passagem de ida e volta + despesas, ele é muito tranquilo e super de boa e já tem tempo que ele quer sair com você”, diz a funkeira na imagem divulgada.

A jovem nega, afirma que tem namorado, mas pergunta quem seria o homem. Mirella diz que ele é um dono de shopping e “bem discreto”. Sugere que ela leve uma amiga para não se sentir só e dá até desculpas para ela enganar o namorado. A adolescente recusa novamente e Mirella então sobe o valor para R$ 5 mil.

Depois que a denúncia viralizou, a adolescente chegou a desativar sua conta no Instagram. Ela relatou em vídeo que o mesmo homem já tinha abordado antes oferencendo valores. Para ela, a funkeira receberia algo para intermediar o contato.

“Eu acho que ela (Mirella) foi errada, sim. Recebeu, sim, para me vender, e eu sinto muito por isso. Sinto que alguém tentou me vender. O pior de tudo é isso, o homem do Paraguai, que não aceitou um não. Nenhuma mulher pode ser vendida por preço nenhum. Eu lembro que fiquei com muito medo na época”, diz.

Outro lado
MIrella divulgou um vídeo e uma nota comentando o caso. Afirmou que as acusações não são verídicas. “Eu não tenho nada contra quem faz esse tipo de coisa que você me acusou e não julgo a vida de ninguém”, disse, contudo. Depois, a declaração pegou mal e a assessoria afirmou que a cantora queria apenas dizer que não se intromete “na forma em que as pessoas ganham a vida”.

A funkeira diz que não deseja mal da adolescente e que nem sabia que ela era menor de idade, afirmando que ela tinha fotos no perfil “muito desenvolvida” e se descrevia na rede social como modelo. Para ela, a denúncia é uma tentativa da jovem de conseguir fama, especialmente por acontecer dois anos depois.

“Por que depois de dois anos você quis vir com isso à tona? Você sabia que causou uma represália? As pessoas que foram assistir meu show podiam me humilhar, me agredir. Isso é muito esquisito, muito estranho”, desabafa. 

Ela diz que o homem em questão já a contratou para fazer uma presença VIP, profissional, mas que ela acabou não podendo comparecer.