Na madrugada desta terça-feira (30), a justiça do Distrito Federal condenou ex-PM Ronan Menezes do Rego, a 21 anos, 9 meses e 10 dias de prisão por matar a ex-namorada Jessyka Laynara, de 25 anos por ciúmes.

A jovem foi morta dentro de casa, em frente a avó e ao primo. Ronan Menezes disse que não lembrava do que aconteceu. Mas confirmou que a causa foi ciúmes. O julgamento duraou cerca de 17 horas, no Fórum Ceilândia. O crime ocorreu no dia 4 de maio de 2018, e só agora o ex-PM foi condenado.

“Quando vi, a Jessyka já estava no chão, não se como foi o primeiro disparo” Um júri popular, formado por sete pessoas – sendo cinco mulheres e dois homens – decidiu que ex-PM é culpado por feminicídio, tentativa de homicídio e ameaça. A reportagem tenta contato com a defesa dele. Na sentença, o juíz Tiago Pinto Oliveira destacou que Jessyka foi morta “por razões de condição do sexo feminino” e disse ainda que o crime contra a estudante foi “por motivo torpe e emprego de recurso que dificultou a defesa da vítima”.

Relembre

A tia de Jessyka, disse que a jovem morreu no banheiro, e que segundo testemunhas, o soldado da PM entrou na casa de Jessyka, usando uma arma da corporação e atirou contra ela diversas vezes. O militar já tinha um comportamento agressivo, e segundo os vizinhos o namoro teria começado antes de se juntar a polícia e desde então houve rumores de que ele “perseguiu” a sua namorada. Ronan foi expulso da PM no passado mês de fevereiro.